Siga o FP nas redes sociais

Sociedade

“Eu não quero desistir”, diz mãe de Ágatha Félix em reunião na Alerj

Esta é a segunda vez que a família de Agatha é atendida pela Comissão de Direitos Humanos da Alerj

Renato Silva

Publicado há

no dia

Ágatha Felix
Foto: Divulgação

Ao completar um mês assassinato de Ágatha Félix, morta no Complexo do Alemão, a presidenta da comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio, Renata Souza (PSOL), recebeu a mãe da menina, Vanessa Sales Félix, na tarde desta terça-feira (22). A criança foi atingida por uma bala perdida dentro de uma kombi, no dia 20 de setembro, quando retornava para sua casa na localidade da Fazendinha.

Esta é a segunda vez que a família de Agatha é atendida pela Comissão. Logo após a morte da menina, uma tia e um primo da criança foram encaminhados, através da CDDHC, para um psicólogo. A mãe de Agatha também está sendo acompanhada por um profissional. “Há um mês não sei o que é pentear o cabelo da minha filha. O que me conforta é saber que ela está bem, mas eu não quero desistir, quero continuar a viver”, disse Vanessa.

No mês passado a deputada estadual Renata Souza apresentou um projeto de lei 1370/219, que vem sendo chamado de PL Ágatha, que pede prioridade na tramitação de procedimentos investigatórios relativos a crimes contra a vida de crianças e adolescentes no âmbito da Polícia Civil, no Estado do Rio de Janeiro.

“É um projeto muito simples e objetivo. Ele dispõe sobre a prioridade de tramitação sobre procedimentos investigatórios em crimes contra a vida de crianças e adolescentes. Com caso de Ágatha Félix, nós vimos o quanto é necessário que essas ocorrências tenham uma investigação prioritária, afinal de contas, várias operações policiais têm vitimado crianças e adolescentes. Precisamos que o Estado dê uma resposta rápida a essas famílias”, explica Renata.

Continue Reading
Clique para comentar

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *